Top Ad unit 728 × 90

ALÉM DE RESIDENT EVIL #1: A Corajosa e Ambiciosa 6ª Temporada de The Walking Dead


A partir de hoje, a série de TV The Walking Dead está sofrendo uma pausa de 7 meses para a estreia da sétima temporada de The Walking Dead, que deve ocorrer em algum dia do mês de Outubro. 

O sexto ano do drama da AMC iniciou em 11 de Outubro de 2015, com o episódio "First Time Again", e encerrou no dia 3 de Abril de 2016, com "Last Day On Earth". Sendo uma temporada grandiosa e cheia de obstáculos, ela foi marcada por perdas importantes do elenco - Deanna (Tovah Feldshuh), Jessie (Alexandra Breckenridge), Denise (Merritt Wever) e Daryl (Norman Reedus), e Glenn (Steven Yeun), Rosita (Christian Serratos), - e por inúmeras tramas e objetivos. 

A Gigantesca Horda de Zumbis, os Lobos, novas Comunidades, as diferenças entre Carol e Morgan e os Salvadores de Negan foram algumas das principais tramas exploradas no decorrer da primeira e segunda parte da temporada. Responsável também por trazer novos recordes de audiência, chegando a ultrapassar a marca de 14 milhões de telespectadores - considerando-se um número extremamente superior aos índices normais para um programa de TV a cabo. 

Com isso, todos os dezesseis episódios trouxeram inúmeros elementos novos, que abrangem desde roteiro, direção, e é claro, o elenco. 

1. FIRIST TIME AGAIN (Primeira vez Novamente)


Depois do espetacular cliffhanger deixado pelo fim da quinta temporada - com Morgan reencontrando seu velho amigo Rick segundos atrás do mesmo ter matado um homem a sangue frio -, Scoot M. Gimple trouxe um roteiro épico e diferente, amarrando todas as pontas soltas deixadas pelo final do ano anterior, mas de uma forma diferente, que unidos a cinematográfica direção de Greg Nicotero, mostrando o que aconteceu após Rick ter matado Pete: Ele passou a agir como um líder, e assim ganhando alguns inimigos dentro da comunidade. Rick (Andrew Lincoln) e alguns outros personagens tiveram de guiar uma gigantesca horda de zumbis para longe de Alexandria, mas como nada na série dá certo, tivemos um explosivo primeiro episódio. Você tem ideia de com quem está lhe dando? 

2. JSS (Apenas sobreviva de Alguma forma) 


Sabendo que "First Time Again" trouxe ação suficiente para uma temporada inteira, com o segundo episódio do sexto ano não foi diferente. Com muita ação e brutalidade, o esplêndido roteiro escrito por Seth Hoffman, trouxe uma nova trama para a temporada: O confronto de ideologias entre Carol e Morgan. Além de introduzir toda a aparição dos Lobos, "JSS" trouxe uma verdadeira guerra a Alexandria, resolveu de uma vez por todas o passado de Enid, apresentou enigmas como a frase "JSS" que foi utilizada pela mesma no episódio, e serviu para dar continuidade à trama dos Lobos, onde os mesmos tiveram que regredir a selvageria e a brutalidade do novo mundo. O resultado? Um ataque brutal a Comunidade, e Carol tirando sua máscara de dona de casa frágil, mostrando quem realmente é. Se continuarem com essa vida, vão morrer. 

3. THANK YOU (Obrigado) 

Incomparavelmente um dos mais polêmicos e chocantes episódios que The Walking Dead teve a chance de oferecer para a audiência. O roteiro de Angela Kang continuou a trama exatamente a partir de onde o primeiro episódio acabou, e em uma reviravolta espetacular, onde a metade da horda de zumbis passou a fazer seu caminho a Alexandria. Com o desenrolar da trama, David foi mordido, Rick teve o seu primeiro e último confronto com os Lobos, Nicholas finalmente encontrou seu fim trágico, e Glenn foi "morto" após cair em um mar de mortos-vivos junto a Nicholas, que havia se suicidado com um tiro na cabeça. No entanto, o ponto alto da trama foi a tão comentada morte de Glenn na lixeira, onde foi criado um falso final para o nosso Coreano, onde milhões de teorias para sua sobrevivência tomaram a internet. Obrigado. 

4. HER'S NOT HERE (Aqui não é aqui)

Um extremo divisor de águas para a sexta temporada. O quarto episódio mudou totalmente a locação e objetivo da trama, introduzindo um novo personagem e apresentando o passado de Morgan Jones, que até então era desconhecido desde "Clear" (S03EP12). Com o roteiro de Scott M. Gimple, e direção de Stephen Williams, "Her's Not Here" mostrou a inserção do misterioso passado de Morgan e a introdução de um novo personagem chamado Eastman, o homem que mudou a vida do personagem. No decorrer de 1 hora, o personagem de Lennie James passou por inúmeros desafios, criando uma nova forma de viver, superando sua loucura e até mesmo se transformando em um 2.0 de Eastman, seu novo amigo. Com roteiro, direção e atuações (principalmente por parte de Lennie) aplaudidos de pé pela crítica especializada, o episódio é visto como um dos melhores da temporada pela maioria dos telespectadores. Aqui não é aqui. 

5. NOW (Agora)

Um interessante corte na trama. Deixando de lado a trama de Morgan, "Now" trouxe 45 minutos somente para o grupo em Alexandria, e o desenvolvimento de personagens. Escrito por Corey Reed, a trama explora uma Alexandria cercada por centenas de zumbis, e a frustada tentativa de Maggie de sair da comunidade e ir atrás de Glenn. Tendo constantes sequências vistas como desnecessárias, o episódio que deveria explorar o relacionamento de Rick e Jessie, tropeça em erros contínuos, mas se salva graças a outros momentos, como a crescente amizade de Aaron e Maggie, o destaque de Deanna, e é claro, o desenvolvimento de Jessie, que finalmente acordou pra vida. É assim que a vida é agora, se não lutarmos morreremos!

6. - ALWAYS ACCOUNNTABLE (Sempre responsável) 

O episódio feito para os fãs de Daryl Dixon (Norman Reedus). No geral, "Always Accountable" é um bom episódio, mas tal como "Now", não se iguala em qualidade como nos quatro primeiros episódios da temporada. Focado na viagem de Daryl, Sasha (Sonequa Martin Green) e Abraham (Michael Cultz), servindo como distrações para a horda de zumbis, a trama explora todo o relacionamento de Abraham e Sasha e o encontro de Daryl com Dwight em 45 minutos, mostrando o contraste dos personagens de agora. Apesar do poder do roteiro de Heather Bellson, a trama não se sustenta em certos pontos, chegando a apelas para algumas cenas desnecessárias (Abraham gritando com um zumbi, por exemplo). Entretanto, a sagacidade de Reedus, juntamente a direção de Jeffrey F. January, serviram para amarrar algumas pontas e dar continuidade para a trama em tempo real. Vai sentir. 

7. HEADS UP (Cabeça Erguida) 

Dando continuidade para a situação atual de Glenn na lixeira e para o grupo em Alexandria, "Heads Up" foi uma introdução para os acontecimentos da midseason finale, e nada mais além disso. A escrita de Channing Powell é apressada e despreocupada em certos momentos, e desapressada em outros. Enquanto fora dos muros temos Glenn e Enid enfrentando seus dilemas morais, dentro dele temos Rick e Morgan entrando em conflitos de ideologias , Deanna se recuperando dos últimos acontecimentos, Carol ainda mais determinada em descobrir no que Morgan está trabalhando e enfim, a torre danificada caindo por cima dos muros, assim abrindo uma brecha para a entrada dos zumbis na comunidade. Infelizmente a direção de David Boyd é desconexa, e o resultado final parece um aglomerado de cenas que não levam a nada - pelo menos algumas. 

8. START TO FINISH (Do Início ao Fim)  

Arrisco dizer, a pior midseason finale da história de The Walking Dead. Escrito por Matthew Negrete, a midseason finale da sexta temporada prometia uma reviravolta chocante, e é claro, algumas mortes e um acontecimento que mudaria a vida de Carl para sempre. Especulações e inúmeras teorias foram criadas em fóruns de debates, e o resultado estava programado para o dia 29 de Novembro de 2015. Dirigido por Michael Satrazemis, "Start To Finish" foi responsável por dar inicio a um dos melhores arcos dos quadrinhos, onde a grande metade da horda de zumbis invadem a zona segura, colocando em duvida se Alexandria continuaria sendo o atual lar dos sobreviventes, e por dar fim a jornada de Deanna Monroe, que integrava o elenco desde a segunda metade da quinta temporada. O clímax obvio do episódio estava no plano de atrair os zumbis para fora da comunidade. Quando tudo "parecia bem", Rick, Michonne, Gabriel, Jessie, Ron e Sam foram obrigados a abandonar a casa onde estavam escondidos após ter sido invadida por alguns zumbis. E incompreensível dizer que o episódio foi um dos melhores, mas é extremamente compreensível tentar explicar o quão inconscientes foram os minutos finais, principalmente a repentina burrice de Sam de quase destruir o desface em meio a uma horda de  zumbis. Com certeza um erro com contrastes visíveis minutos após do lançamento do episódio, e que muito provavelmente ainda afetará o desenrolar da trama, afinal, acreditava-se que a época de “mortes para chocar” havia sido deixada lá na terceira temporada, com a saída do showrunner Glen MazzaraEu entendi agora!

9. NO WAY OUT (Sem saída) 

O episódio que você ou achou bom, ou amou. Depois de uma Midseason Finale decepcionante, finalmente tivemos um episódio explosivo, cheio de mortes e realmente chocante. Escrito por Matthew Negrete e dirigido por Nicotero, o episódio em si, foi a clara definição de COMO FAZER UM ÓTIMO EPISÓDIO DE THE WALKING DEAD! Foi a primeira vez que vimos três mortes seguidas de personagens principais, e os atores (e atrizes, claro) exibiram isso de forma majestosa. As mortes de Jessie, Sam e Ron, além da perda do olho de Carl, fizeram com que Rick mudasse de uma vez. Um episódio repleto de zumbis, sangue e desenvolvimentos, provando mais uma vez o poder que a série tem com o drama humano. Por favor, salve a vida dele. 

10. THE NEXT WORLD (O Próximo Mundo) 

A prova de que The Walking Dead consegue se reinventar, sem cair na mesmice. Escrito por Angela Kang e Corey Reed, o décimo episódio da Sexta temporada mostra, depois de muito tempo, um episódio engraçado e muito divertido. Particularmente, "The Next World" é aquele típico episódio para os fãs poderem respirar, mesmo assim sem perder a qualidade. Ou você precisa estar atento à trama, ou não talvez não entenderá o que está acontecendo nos típicos 45 minutos. Focado na superação de Alexandria (ou tentativa) depois dos acontecimentos recentes, o foco maior é em uma busca de suprimentos com Daryl e Rick, o encontro com Jesus (ou Paul Monroe - Rovia -), uma trama envolvendo Spencer e Michonne, e uma vida normal em um apocalipse zumbi na comunidade. Tudo isso reunidos ao objetivo de que apenas unidos eles conseguirão passar pelos problemas. Mas o caminho é longo, Kari Skogland entrega um final esplêndido e memorável, prometendo um maior e novo mundo para os sobreviventes. Rick, nós precisamos conversar. 

11. KNOTS UNTIE (Nós desatados) 

Um episódio que funciona como um inicio de um novo mundo. O roteiro incrível escrito por Matthew Negrete Channing Powell, serviu para mostrar a jornada do grupo até a comunidade de Hilltop, após a chegada do misterioso Jesus, que veio prenunciar sua comunidade que fica não muito longe de Alexandria. Focado na apresentação da nova comunidade e de novos personagens, a conversa e a ação são apenas uma peça-chave para contemplar ainda mais os minutos finais, onde Rick e os outros partem para Alexandria, onde irão planejar um embate contra Os Salvadores, grupo liderado por Negan. É o começo de uma nova era, dirigido com esplendor por Michael Sutrazemis. Seu mundo tá pra ficar bem maior. 

12. NOT TOMORROW YET (Ainda não é amanhã) 

Bem Vindos ao novo Mundo! O encontro do nosso grupo com outra comunidade de sobreviventes é como recomeçar a série do zero. É a chance de começar reconstruir a civilização. Escrito por Seth Hoffman e dirigido por Greg Nicotero, o décimo segundo episódio do sexto ano introduz Rick e o resto do grupo a novos inimigos. Novos personagens, conflitos de caráter, desafios, e a sociedade quase voltando a ser como era antigamente. Focado no contraste entre a realidade em outros grupos - através da crueldade causada pelos Salvadores -, "Not Tomorrow Yet" explora a frieza dos personagens, voltando a realidade do Apocalipse, sendo negativa para alguns (Carol, por exemplo) e positiva para outros (Rick Grimes). Um belo inicio de um novo arco. Mataremos todos. 

13. THE SAME BOAT (No Mesmo Barco) 

O Claro exemplo de como The Walking Dead lida com diferenças. Continuando a exploração nos Salvadores, o grande clímax de "The Same Boat" está no sequestro de Carol e Maggie. O Roteiro de Angela Kang serviu para aperfeiçoar a relação entre Carol e Maggie, e aprofunda-se nos sentimentos de Carol em relação as matanças que ela causou anteriormente. E mais uma vez a trama evolui, com Maggie cansada de viver dessa forma, provando a naturalidade com qual a série trata o drama humano, como a questão de matar, no caso. Um belo exemplo de combinação de roteiro e direção. 

14. TWICE IS FAR (Duas vezes mais longe)

"Ninguém está a salvo" ainda é verdade. Com absoluta certeza, "Twice Is Far" foi um dos mais chocantes episódios do sexto ano. O poder do décimo quarto episódio da sexta temporada não vem apenas por parte da morte de Denise e o perigo iminente, mas sim de um roteiro bem estruturado, escrito por Matthew Negrette, combinados a uma direção de Alrick Riley. Dando enfoque a uma busca por remédios, a trama decorre sobre variedades de locações, intercalando tudo em uma montagem variada e diferente. Enquanto Denise e Eugene querem ser úteis para a comunidade, os Salvadores e Dwight retornam. Um claro exemplo de como a série ainda sabe chocar e surpreender positivamente a audiência. Eu devia ter te matado. 

15. EAST (Oeste) 

Se tem uma coisa que o atual showrunner da série, Scott M.Gimple, sabe fazer, é criar ganchos para eventos icônicos dos quadrinhos para a série de TV. E isso é o que aconteceu em "East": Gimple e Channing Powell não mediram esforços e deram continuidade ao problema Daryl vs Dwight sem medo, em um roteiro apurado e brutal, dirigido cuidadosamente por Michael E. Satrazemis, esperando preparar terreno para os chocantes acontecimentos da season finale. Obiviamente sendo um dos mais comentados episódios da série (MEU DEUS, Daryl levou um tiro), e gerou uma onde de teorias na internet, aumentando ainda mais a ansiedade para o que vira a seguir. Olá, Daryl. 

16. LAST DAY ON HEARTH (O Último dia na Terra) 

Escrito por Scott Gimple e Matthew Negrete, e com direção de Greg Nicotero, "Last Day On Earth" é um episódio especial de 90 minutos que encerrou a sexta temporada de The Walking Dead. Através de um roteiro que trouxe uma estrutura narrativa dividida (e com muita ação) em inúmeros arcos, o final de temporada foi nada mais, nada menos do que necessário mas sendo, possivelmente, uma das season finale mais decepcionantes da série, sendo assim o final da temporada foi um divisor de opiniões. A Busca de Morgan por Carol, a viagem até Hilltop, o confronto do grupo com os Salvadores, Padre Gabriel se redimindo, a apresentação de Negan (Jeffrey Dean Morgan) e o final trágico de um dos personagens do grupo: Tudo em um único episódio. Colocando os personagens mais amados em constante perigo, o roteiro e a direção não economizaram na tensão e excesso dramático, mas por conta do enorme suspense deixado no final, tornou esta, arrisco dizer, uma das finales mais decepcionantes que o drama da AMC ofereceu durante esses seis anos. Uni Duni Tê








ALÉM DE RESIDENT EVIL #1: A Corajosa e Ambiciosa 6ª Temporada de The Walking Dead Reviewed by Gabriredfield on 08:41:00 Rating: 5

Nenhum comentário:

All Rights Reserved by Biohazard Brasil © 2014 - 2015
Powered By Blogger, Designed by Sweetheme

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.